Até 1899

  • 1865 – Gregor Mendel publica trabalho sobre experimentos com ervilhas em que propõe as leis da hereditariedade e supõe que as características hereditárias são transmitidas em unidades.
  • 1869 – O suíço Friedrich Miescher isola, a partir do pus humano e do esperma do salmão, uma substância com alto teor de fósforo que chama de “nucleína”, posteriormente denominada “ácido desoxirribonucléico” (ADN).[1]
  • 1882 – O alemão Walter Flemming descobre corpos com formato de bastão dentro do núcleo das células, que denomina “cromossomas”.

1900 até 1919

  • 1900 – O holandês Hugo de Vries, o alemão Carl Correns e o austríaco Erich Tschermak von Seysenegg chegam de forma independente aos resultados de Mendel sobre as leis da hereditariedade.
  • 1902 – O norte-americano Walter Sutton e o alemão Theodor Boveri dão início à teoria cromossómica da hereditariedade.
  • 1909 – O dinamarquês Wilhelm Johannsen introduz o termo “gene” para descrever a unidade mendeliana da hereditariedade. Utiliza os termos “genótipo” e “fenótipo” para diferenciar as características genéticas de um indivíduo de sua aparência externa.
  • 1915 – O norte-americano Thomas Hunt Morgan e outros publicam o livro “O Mecanismo da Hereditariedade Mendeliana”, no qual relatam experimentos com drosófilas e mostram que os genes estão linearmente dispostos nos cromossomos.

1940 até 1959

  • 1949 – O austríaco Erwin Chargaff descobre, nos EUA, uma relação quantitativa entre as bases do ADN: a proporção entre adenina e timina é sempre igual, e o mesmo ocorre entre guanina e citosina.
  • 1950 – Os norte-americanos Linus Pauling e Robert Corey identificam a estrutura molecular básica de proteínas. Eles propõem uma estrutura para o ADN com três cadeias helicoidais entrelaçadas (o modelo da tripla hélice).
  • 1952 – A britânica Rosalind Franklin obtém imagens de ADN , por difracção de raios X.[2][3]
  • 1953 – O norte-americano James Watson e o britânico Francis Crick decifram, em 7 de Março, a estrutura de dupla hélice para o ADN e a publicam na revista “Nature” de 25 de Abril. Em 30 de maio, também na “Nature”, Watson e Crick analisam as implicações genéticas de seu modelo e sugerem um mecanismo para a replicação do ADN.[4]

James Watson

  • 1958 – Os norte-americanos Matthew Meselson e Franklin Stahl confirmam a hipótese feita por Watson e Crick de que o ADN replica-se de maneira semiconservativa.

1960 até 1979

  • 1972 – O norte-americano Paul Berg obtém moléculas de ADN recombinante, unindo ADN de diferentes espécies e inserindo esse ADN híbrido em uma célula hospedeira.
  • 1975 – Grupos de pesquisa desenvolvem métodos de seqüenciamento de ADN.
  • 1976 – Criada a primeira companhia de engenharia genética, a Genentech.

1980 até 1999

  • 1980 – A Suprema Corte dos EUA decide que formas de vida alteradas podem ser patenteadas.
  • 1982 – O primeiro animal (camundongo) transgénico é obtido nos EUA.
  • 1983 – Companhias nos EUA conseguem obter patentes para plantas geneticamente modificadas. É mapeado nos EUA o primeiro gene relacionado a uma doença, um marcador da doença de Huntington encontrado no cromossoma 4.
  • 1985 – Alec Jeffreys (inglês) descreve técnica de identificação que ficou conhecida como “impressão digital” por ADN.

Os NIH dos EUA aprovam directrizes gerais para a realização de experimentos com terapia genética em seres humanos.

  • 1986 – Plantas de tabaco geneticamente modificadas para se tornarem resistentes a herbicida são testadas em campo pela primeira vez, nos EUA e na França.
  • 1988 – Nos EUA, Philip Leder e Timothy Stewart obtêm primeira patente para um animal geneticamente modificado, um camundongo.
  • 1989 – Criação nos EUA do Instituto Nacional para Pesquisa do Genoma Humano (NHGRI), chefiado por James Watson, para determinar toda a sequência do ADN que compõe os cromossomas humanos.
  • 1994 – Liberação de tomate, primeiro alimento geneticamente modificado cuja venda é aprovada pela FDA.
  • 1995 – É obtida a primeira sequência completa de ADN de um organismo de vida livre, a bactéria Hemophilus influenzae.
  • 1997 – Nascimento da ovelha Dolly, primeiro mamífero clonado a partir de uma célula de um animal adulto pelo Instituto Roslin (Escócia). Mapa genético completo do camundongo.

Ovelha Dolly, empalhada no Royal Museum of Scotland, em Edinburgo

2000 até 2019

  • 2000 – Pesquisadores do consórcio público Projeto Genoma Humano e da empresa privada norte-americana Celera anunciam o rascunho do genoma humano. No Brasil, pesquisadores paulistas anunciam o seqüenciamento do genoma da bactéria Xylella fastidiosa, a causadora da doença do amarelinho em cítricos. O artigo foi destacado na capa da revista “Nature”.
  • 12 de Fevereiro de 2001 – É anunciada a publicação da análise da sequência do genoma humano.
  • 2003 – Conclusão parcial da análise da sequência do genoma humano (PGH).

Referências

  1. Dahm R (2005). “Friedrich Miescher and the discovery of DNA”. Dev Biol 278 (2): pp.274–88. PMID 15680349.
  2. (1953) “Molecular Configuration in Sodium Thymonucleate. Franklin R. and Gosling R.G.”. Nature 171: pp.740–741. DOI:10.1038/171740a0. PMID 13054694.
  3. ↑ Original X-ray diffraction image
  4. Watson J.D. and Crick F.H.C. (1953). “A Structure for Deoxyribose Nucleic Acid”. Nature 171: pp.737–738. DOI:10.1038/171737a0. PMID 13054692.
Anúncios