Um organismo (do grego organismós, “conjunto”) é o conjunto de órgãos que constituem um ser vivo.

Mais além, organismo é o conjunto de sistemas de órgãos que constituem um ser vivo eucarionte pluricelular, que tem seus órgãos formados por diferentes tipos de tecidos vivos e estes tecidos por sua vez são formados por células especializadas em desempenhar determinadas funções nesses tecidos vivos nos quais estejam participando. Assim por exemplo, as células nervosas são especializadas em conduzir impulsos nervosos através do tecido nervoso que compõe o sistema nervoso do organismo; as células musculares por sua vez são especializadas em se contrairem para desempenharem a função locomotora realizada pelos tecidos musculares da musculatura do organismo. No organismo existe uma evidente divisão de funções que são atribuídas cada qual a um sistema de órgãos especializado em desempenhar aquela determinada função específica no organismo, exemplos:

  • Sistemas de órgãos
    • Sistema digestivo função digestão;
    • Sistema respiratório função respiração;
    • Sistema circulatório função circulação;
    • Sistema nervoso função sensorial;
    • Sistema linfático função imunológica;
    • Sistema urinário função excreção;
    • Sistema muscular função locomotora;
    • Sistema reprodutor função reprodutora;
    • Sistema endócrino função hormonal;
    • Sistema ósseo função sustentação do organismo.

Bioquímica é a ciência que estuda os processos químicos que ocorrem nos organismos vivos. Trata da estrutura e função metabólica de componentes celulares como proteínas, carboidratos, lipídios, ácidos nucléicos e outras biomoléculas.

Dentre os diversos tipos de biomoléculas, muitas são moléculas grandes e complexas (polímeros), formadas pela reunião de unidades fundamentais (monômeros) repetidamente que dão origem a longas cadeias. Cada tipo de biomolécula polimérica apresenta unidades fundamentais diferentes. Por exemplo, as proteínas são polímeros cujas unidades monoméricas são os aminoácidos, enquanto que os ácidos nucléicos (como o DNA) são polímeros compostos por cadeias de nucleotídeos.

A bioquímica estuda as propriedades de moléculas biológicas importantes, como as proteínas e os ácidos nucléicos, e em particular a química de reações catalisadas por enzimas, através de diversas áreas de estudo como do código genético, da síntese de proteínas, do transporte de membrana celular e transdução de sinal.

Como todas as formas de vida existentes hoje descendem do mesmo ancestral comum, elas apresentam em geral processos químicos parecidos.

História

Anselme Payen, químico, físico e matemático francês, descobriu a primeira enzima, a diástase.

Esquema relacionando bioquímica, genética e biologia molecular.

A bioquímica, anteriormente chamada de química biológica ou fisiológica. surgiu a partir das investigações de fisiologistas e químicos sobre compostos e conversoes químicas em seres humanos e plantas no século XIX [6][7] O termo bioquímica foi proposto pelo químico e médico alemão Carl Neuberg

(1877-1956) em 1903, embora no século XIX grandes pesquisadores como Wohler, Liebig, Pasteur e Claude Bernard estudassem a química da vida sobre outras denominações.  Deve-se destacar que o primeiro instituto de pesquisa estruturado e voltado unicamente para a química da vida surgiu em 1872, como Instituto de Química Fisiológica da Universidade de Strasbourg enquanto que em 1880 a universidade norte-americana de Yale estruturou os

primeiros cursos regulares de química fisiológica. Por volta de 1899, quando a universidade inglesa de Cambridge criou o laboratório de química dentro do departamento de fisiologia,

Anselme Payen, químico, físico e matemático francês, descobriu a primeira enzima, a diástase.

chefiado por Frederick Gowland Hopkins, primeiro professor de bioquímica da Universidade de Cambridge, e também fundador da bioquímica inglesa, a química da vida já estava estabelecida como ciência, sob diferentes denominações. Dentre os momentos mais importantes da história da bioquímica, destacam-se

  • Em 1828, Friedrich Wöhler publicou um artigo sobre a síntese da uréia, provando que os compostos orgânicos podem ser criados artificialmente, em contraste com a ideia, comumente aceita durante muito tempo, que a generacão destes compostos era possível somenteno interior dos seres vivos.

Desde então a bioquímica tem avançado, especialmente desde a metade do século XX com o desenvolvimento de novas técnicas como a cromatografia, a difracção de raios X, marcação por isótopos e o microscópio eletrônico. Estas técnicas abriram o caminho para a análise detalhada e a descoberta de muitas moléculas e rotas metabólicas das células, como a glicólise e o ciclo de Krebs.

Graduação em bioquímica no Brasil e Portugal

A licenciatura em bioquímica, em Portugal, foi criada em 1979, na Universidade de Coimbra, sendo prontamente seguido de diversas outras universidades.

O bacharelado em bioquímica, no Brasil, foi criado em 2001, na Universidade Federal de Viçosa,  visando a suprir a necessidade crescente de profissionais qualificados para atuar nas áreas de pesquisa e desenvolvimento tecnológico das diversas áreas relacionadas com o curso.

Em moldes semelhantes, foi criado em 2008, o segundo curso de graduação em bioquímica do Brasil; a Universidade Federal de São João del Rei, implantou o curso em seu campus de expansão Centro-Oeste .

Esquema relacionando bioquímica, genética e biologia molecular.

Anúncios