A massa de água dos oceanos, na qual todas as criaturas marinhas vivem, pode ser dividida em zonas distintas, onde as formas de vida mudam quase que radicalmente. O sistema de zoneamento ocorre tanto no sentido horizontal como no vertical, e se sobrepõem em alguns pontos. No zoneamento horizontal, que vai da costa para o mar aberto, a distribuição da fauna e da flora depende essencialmente da temperatura da água e da quantidade de alimento disponível. Quanto mais nos afastamos da costa, que é a verdadeira fonte de nutrientes, menos comida estará disponível para a manutenção da vida __ o meio dos oceanos pode ser descrito como um “deserto biológico”. No zoneamento vertical, que vai da superfície da água até o fundo do oceano, a distribuição biológica depende fundamentalmente da luz do sol. Sua penetração pode chegar até 100 metros de profundidade no máximo, dependendo da claridade e transparência da água, que, por sua vez, é afetada pela quantidade de substâncias minerais e orgânicas dissolvidas, bem como pelo plancton e outras partículas suspensas. Assim, os oceanos podem ser subdivididos em três principais zonas:
Zona Nerítica: faixa do oceano situada acima da plataforma continental, entre a linha de maré alta e a profundidade média de 200 metros. É a região mais próxima da costa, a zona com maior quantidade e variedade de vida. É habitada pela maioria dos peixes que conhecemos, aqueles mais importantes para a pesca comercial e esportiva. A zona nerítica, que está totalmente dentro das águas territoriais brasileiras, pode, ainda, ser subdividida em duas regiões: a Zona Litorânea, entre as linhas de maré alta e baixa, e a Zona Costeira, da linha de maré baixa para fora.
Zona Pelágica: faixa do oceano situada acima da planície abissal, entre as profundidades de 0 e 200 metros. É a região mais afastada da costa e os peixes que lá vivem, chamados de oceânicos, são importantes para a pesca comercial e oceânica. A zona pelágica inclui parte das águas territoriais e todas as águas internacionais.
Zona Abissal: faixa do oceano situada justamente abaixo da zona pelágica e imediatamente acima da planície abissal, entre as profundidades médias de 200 e 5.000 metros. Os peixes que vivem nessas grandes profundidades, chamados de peixes abissais, têm pouca ou nenhuma importância para a pesca.

Anúncios